Depressão – a doença da modernidade

A depressã0 é uma moléstia  mais frequente em mulheres , mas pode atingir todas as idades. Ninguém está livre dessa doença, que afeta e afetou muitos líderes mundiais, muitos religiosos e até alguns santos. É a doença da modernidade, sendo o Brasil um dos campeões da incidência da depressão no mundo todo. Abaixo cito os sinais clássicos da depressão, devendo-se levar em conta que nem sempre um quadro de tristeza é depressão.

A depressão clinica ou maior é diagnosticada com a ocorrência de pelo menos 5 dos 9 sintomas seguintes, presentes por 2 semanas ou mais e responsáveis por interferência significativa no ambiente social (familiar e trabalho)

  • mau humor constante, tristeza ou irritabilidade
  • letargia ou fadiga
  • perda do interesse de atividades que eram prazeirosas
  • mudança súbita de apetite( pra mais ou menos)
  • sentimento de culpa, de não ter valor algum
  • lentidão, impaciência, ficar borocoxô
  • dificuldade de pensar e de se concentrar
  • pensamentos suicidas e de morte

Além desses , as pessoas com depressão crônica podem apresentar sintomas psicossomáticos como dores musculares, distúrbios intestinais( diarréia ou constipação), náuseas, palpitações, dores no peito,tonturas, dor de cabeça etc.,

A depressão é classificada como uma doença mental e TEM que ser vista como tal, pois ainda existem pessoas que não acreditam que ela seja realmente uma moléstia. Tem muita gente que acha que a depressão é uma forma de se chamar atenção, de que é uma “frescurite”. Sugiro que vocês leiam os meus dois livros que escrevi sobre esse tema, o primeiro tem o titulo de “Depressão – onde está Deus”com o prefácio escrito pelo saudoso Padre Léo. O outro título é : Depressão – um sinal de esperança. Vale a pena a leitura desses dois livros para que você entenda esse assunto e se existe alguém que ainda não acha que a depressão é uma doença, aqui está um bom motivo para você presente-a-lo com esses livros.

Adquira os livros no site   clique aqui e adquira os livros do Dr. Roque Savioli

Este artigo foi escrito por Roque Marcos Savioli

Deixe seu comentário