Gorduras do bem e a longevidade

gorduras-do-bem-e-a-longevidade-220x150Entenda a associação entre as gorduras do bem e a longevidade! Afinal, quem não deseja viver mais e melhor?

O consumo de uma maior quantidade de gorduras insaturadas, ou gorduras do bem, está associada com menores índices de  mortalidade, de acordo com um estudo da Harvard, de modo que, quem come mais gorduras provenientes de peixes, óleos vegetais, grãos,  podem ter mais longevidade do que aqueles, que têm na sua dieta, a gordura que vem da carne vermelha, da manteiga e de óleos  animais.

Em um grande estudo populacional seguido por mais de três décadas, os pesquisadores descobriram que um maior consumo de gorduras saturadas e trans (gorduras que fazem mal à saúde) foi associado a taxas de mortalidade mais elevadas considerando-se o  mesmo número de calorias de carboidratos ingeridos. Mais importante ainda: a substituição de gorduras saturadas por gorduras insaturadas promove  saúde.

A substituição de gorduras saturadas como manteiga, banha e gordura da carne vermelha por gorduras insaturadas, provenientes de  plantas – como o azeite, óleo de coco, abacate – pode conferir benefícios substanciais para a saúde, devendo ser aspecto muito  importante nas recomendações dietéticas.

Nesse estudo observou-se que a cada  2% a mais de ingestão de gordura trans ocorria  16 % a mais de morte prematura durante o período do estudo.

O maior consumo de gorduras saturadas também foi associado com maior risco de mortalidade. Quando comparado com o mesmo número de calorias provenientes de hidratos de carbono, cada aumento de  5% da ingestão de gorduras saturadas foi associada a  8% de aumento na  mortalidade global.

Por outro lado, a ingestão de elevadas quantidades de gorduras insaturadas,  poli-insaturadas e mono-insaturadas, estava associada a uma redução de  11 a 19%  na  mortalidade global . Entre as gorduras poli-insaturadas,  os ácidos omega-6, encontrados na maioria dos óleos vegetais, e  omega-3, encontrados em peixes e óleos vegetais como por exemplo o óleo de coco, foram associados com menor risco de morte prematura.

As pessoas que substituíram as gorduras saturadas por gorduras insaturadas, especialmente gorduras poli-insaturadas, tiveram  menor risco de morte global durante o período de estudo, bem como menor risco de morte por doenças cardiovasculares, câncer, doenças neurodegenerativas e doenças respiratórias, em comparação com aquelas que mantiveram  o consumo elevado de gorduras saturadas.

Os resultados para as doenças cardiovasculares são consistentes com vários estudos anteriores que mostram a redução do  LDL ( “mau” colesterol) quando gorduras insaturadas substituem as gorduras trans ou saturadas.

Pessoas que substituíram as gorduras saturadas por  carboidratos tinham  apenas um risco de mortalidade ligeiramente inferior. Além disso, a substituição de gordura total, pelos  hidratos de carbono esteve  modestamente associada com aumento da mortalidade. Isso não foi surpreendente, pois , conforme disseram os autores,  os carboidratos na dieta  tendem a ser amido, principalmente refinado e açúcar, que têm uma influência semelhante as gorduras saturadas no risco de mortalidade.

Este estudo mostra a importância de eliminar a gordura trans e substituição de gordura saturada por gorduras insaturadas, incluindo ácidos graxos poli-insaturadas, tanto ômega-6 e ômega-3. Na prática, isto pode ser alcançado através da substituição de gorduras animais com uma variedade de óleos vegetais líquidos já citados acima, peixes, grãos etc..

Fonte: https://www.hsph.harvard.edu/news/press-releases/higher-consumption-of-unsaturated-fats-linked-with-lower-mortality/

Este artigo foi escrito por Roque Marcos Savioli

Deixe seu comentário